28/05/10

UM TEXTO ESQUECIDO SOBRE UM MÓVEL HISTÓRICO

Rafael Salinas Calado foi o primeiro director do Museu Municipal de Torres Vedras, por ele instalado numa sala - que já não existe - anexa da Igreja de S. Pedro.
Do seu livro MEMÓRIAS DUM FERRO-VELHO ( Portugália Editora, Lisboa, s/d, mas com a data de 1947 no preâmbulo do autor) transcrevemos todo o artigo referente à história da aquisição do histórico bufete onde, em 22 de Agosto de 1808, foi assinado o armistício que pôs fim aos confrontos militares da 1ª invasão francesa:

«Se um objecto ou um móvel estão ligados à tradição comprovada de um facto histórico, isto é, a um acontecimento da história nacional, e se esse acontecimento foi uma batalha travada e ganha pela independência da Pátria, esse objecto ou esse móvel são peças históricas de primeira grandeza.

Está nesse caso o Bufete de Maceira, cuja existência muita gente desconhece, não obstante
ter sido trazido a Lisboa nas comemorações centenárias de 1940 e exposto, bem em
destaque, num dos magníficos pavilhões de Belém.
Lá o fui encontrar, e embevecido contemplei esse velho amigo, que, por minha exclusiva
Intervenção, entrou no p¬trimónio nacional, quando o adquiri, para o então formoso Museu Municipal de Torres Vedras, instalado numa das salas mais graciosas do estilo português do século XVIII: a da Irmandade dos Clérigos Pobres anexa à Matriz de São Pedro.

Esta sala, quadrada, era do tipo perfeito da mais pura elegância setecentista; forrada dum alto silhar de belos azulejos, tinha tecto de maceira todo debruado de florões dourados, e como cúpula, os painéis dos quatro evangelistas, da autoria de Bernardo António de Oliveira Goes, filho do ericeirense António de Goes, pintor que trabalhou na opulência joanina de Mafra.
Ali, num dia feliz para a história da arte em Torres Vedras, instalei amorosamente o seu Museu Municipal em 1928. Esta sala não existe já, sacrificada aos arranjos urbanistas da importantíssima vila estremenha, ou ao restauro da velha Matriz de São Pedro, coeva da fundação de Portugal.

O Museu, hoje dirigido pelo meu sucessor Dr. Aurélio Belo, notável arqueólogo e numismata, está certamente em melhores mãos que as minhas, mas pobremente instalado numas divisões escassas da velha e outrora rica Misericórdia local.
Lá se encontra o bufete histórico que me dita estas impressões consagradoras e saudosas.
Quem supuser que os sentimentos de afectividade se podem somente dedicar a seres vivos, engana-se redondamente; eu amo e venero o precioso móvel histórico que contemplei tantas e tantas vezes, sozinho, fechado no Museu, e que eu vi sempre aureolado da sua glória incontroversa.

Depois, cabe-me uma honra que não declino: a de ter conseguido que o seu proprietário de então, José da Cunha Santos Bernardes, casado com uma ilustre senhora, descendente dos Morgados da Maceira e Moita Longa, cedesse, a rogos meus, a sua propriedade ao Museu Municipal a troco de outro bufete «exactamente igual».

Com que alvoroço, medindo bem o alcance transcendente da troca e autorizado, previamente, pela digna Câmara, eu gastei dos fundos do Museu o conto e tal, orçamentado para mandar fazer um bufete exacta e rigorosamente igual ao bufete histórico, no feitio, nas dimensões e até na madeira.

Assim foi construída a mesa de pés e travessas torneados em contas, com a sua travessa suplementar ao meio, sobre dois pés rasteiros, e, como o outro, uni pouco sobre o quadrado, com as gavetas e tremidos também iguais.

Deve a História de Portugal aos dignos proprietários de então o melhor reconhecimento pelos sentimentos de desinteresse material de que deram a prova realíssima, em prol da sua orgulhosa terra natal de Torres Vedras.
O valor do elegantíssimo móvel é extraordinário.
É tempo de dizer em que consiste a historicidade incontroversa e rica do seu passado.

Em 21 de Agosto de 1908 engalanou-se a pequena povoação do Vimeiro, ao norte de Torres Vedras, no concelho da Lourinhã, limítrofe e vizinha pertissima da povoação de Maceira, do concelho torreense.
O rei D. Manuel II, generais, ministros e oficiais de alta patente, deslocaram-se ao histórico local a inaugurar o obelisco comemorativo da Batalha do Vimeiro, travada e ganha exactamente cem anos antes.
Do solar dos Morgados da Maceira foi para o local um móvel pedido para esse fim: o Bufete Histórico da Maceira.




Sobre ele foi assinado o auto de inauguração do obelisco, e um nobre inglês alto e decorativo na sua farda imponente, vindo expressamente de Inglaterra, assinou esse auto também.
Esse oficial, neto do Marquês de Torres Vedras, Sir Arthur Wellesley, usava o mesmo título do seu famoso antepassado, o glorioso Duque de Wellington.
Porque foi pedido e deslocado para ali esse bufete?
Porque exactamente cem anos atrás, o General Kellerman, delegado de Jean Andoche Junot, o primeiro invasor francês de Portugal a seguir ao Tratado de Fontainebleau, de 27 de Outubro de 1807, assinou sobre essa mesa gloriosa o «arrangement avec armistice» de que fala Foy, ditado por Sir Arthur Wellesley, como representante das forças vitoriosas anglo-lusas.
Tem, pois, um transcendente valor histórico o precioso móvel a que os jornais de 1908 se referiram com largueza.
Deve ter orgulho nele Portugal, Torres Vedras e, especialmente, a nossa nobre e digna aliada Inglaterra.
Quando, uma vez, acompanhado pelo erudito General Teixeira Botelho, o grande político inglês Lloyd George visitou as linhas gloriosas de Torres Vedras, acedeu à minha solicitação para visitar o Museu Municipal.
Eu convoquei à pressa alguns antigos combatentes da grande guerra de 1914-18, e com eles aguardei a visita do antigo primeiro-ministro britânico.
Este mostrou-se muito sensível a essa atenção, tendo cumprimentado efusivamente os antigos combatentes, abrindo um largo sorriso, que os seus olhos dum azul carregado mais avivavam ainda, e, quando lhe mostrei o bufete e pedi ao General Teixeira Botelho que lhe explicasse a glória que lhe competia pela sua história, Lloyd George, como que deslumbrado, abraçou-o.
Estou a ver a sua bela cabeça de neve, quase encostada ao tampo do móvel precioso.
Ele é, na parte histórica, a peça mais rica do pequeno Museu Municipal de Torres Vedras, onde procurei coleccionar também armas, balas e documentos referentes às Guerras Peninsulares.
Em Inglaterra dão, justificadamente, um grande apreço a tudo quanto diz respeito ao seu passado histórico, como pode ler-se no ofício que adiante transcrevemos, referente também às Guerras Peninsulares.
Em 1938, ofereci ao Royal Military College, de Sandhurst, um saquinho de damasco vermelho, contendo doze balas encontradas nos campos de batalha de Vimeiro e uma fotografia do Bufete Histórico. Levou-me a fazer a oferta àquele instituto britânico o facto de ter sido um professor dele, Charles Walker Robison, que escreveu um trabalho sintético, mas magnífico, sobre a Guerra da Península, trabalho que foi traduzido para português pelo Major de Artilharia Matias Nunes.
Em 2 de Maio do mesmo ano, recebi o ofício seguinte que me foi enviado gentilissimamente pela Embaixada Britânica em Portugal, que se tinha dignado fazer chegar ao Royai College a minha oferta:

2nd May, 1938.

«Sir
It was with the greatest pleasure that I received your most generous gift of twelve bullets which were found on the battlefield of Vimeiro. This gift has been placed in the Museum of the College where it will always be of the greatest interest to ali Officers, Cadets who serve here. I would like on behalf of the Officers, Cadets and myself to offer you our most sincere thanks for your historical gift.
It is yet another instance of the friendship that has always existed between your distinguished country and ours.
May I finish with offering most respectfully my best wishes for the continued prosperity of Portugal. I have the honour to be, Sir.. .

a) Eastwood, Major General
Command Royal Military College»

Pelos termos de efusivo agradecimento deste penhorante ofício, se infere bem o apreço que em Inglaterra dispensaram à modesta oferta.
Outra peça consagradora, mas esta ao gosto popular, quo a família Moura Borges guardava avaramente, deu entrada também no Museu, por solicitação minha, oferecida nobremente pela referida família: a tabuleta de A dos Cunhados.
Descrevi-a na encantadora revista literária Feira da Ladra a pág. 114 do segundo volume. É uma grossa tábua de pinho, de o,m03 de espessura, o,'"6o de alto e o,m30 de largo, pintada de branco numa das faces, tendo uma faixa larga de negro enquadrando os seguintes versos ingénuos e frementes de patriotismo:

NESTE LVGAR DOS CV-
CNADOS COM GRANDE
PRAZER E GOSTO FOI O PRÍN
CIPE ACLAMADO EM
19 D AGOSTO
1808 ERA
O ANO QVE CORIA
SACODIOCE O JVGO
FRANCES RESTAV
ROVSE A MONAR
QVIA

A tabuleta apresenta os dois orifícios com que fora pregada na praça onde se fazem as transacções do peixe, da praia do Porto Novo, no lugar de «A dos Cunhados».
Depois, o primeiro proprietário da tabuleta, o Capitão Luís Paulo Cosme, que providencialmente a recolheu, utilizava-a, cedendo-a ao sapateiro que lhe ia a casa consertar o calçado para a numerosa família, e a madeira acusa bem o uso inglório que dela faziam.
Lá figurava sobre o Bufete Histórico, com as suas maiúsculas a apagarem-se, delidas pelo tempo, e não ficava mal junto da sua glória, como regozijada expressão popular de orgulho e de alegria pela derrota das opressivas águias de Napoleão e mormente pela vitória de Portugal.»

16/05/10

NOVOS LIVROS SOBRE A GUERRA PENINSULAR



MEMÓRIA DAS 'INVASÕES FRANCESAS' EM PORTUGAL (1807-1811). Teresa Caillaux de Almeida, Lisboa, Março de 2010, Ésquilo edições e multimédia. 543 p.
Versão portuguesa da tese de doutoramento da autora, apresentada na universidade de Nanterre, em Fev de 2008,  com o título La Mémoire des 'Invasions Françaises' au Portugal(1807-1811) au croisement  des sources orales, écrites et iconographiques. A autora é professora da Universidade de Aix-en-Provence. Prefácio de António Pedro Vicente, que foi um dos membros do júri naquele acto académico.
Resumo do índice:
Cap.1-Os factos históricos
Cap.2-A escrita da História
Cap.3-A memória em imagens
Cap.4-A memória oral
Cap.5-«Casa das Gaeiras»
Cap.6-Comemorações
Síntese conclusiva

Na Introdução a autora refere que o cap. 4 é o cerne deste trabalho:
« A memória oral, tema do capítulo quarto, é um ponto crucial deste trabalho porque é a parte viva desta investigação e o ponto de ancoragem de todos os outros domínios.»
Mais adiante explica o teor do cap. 5: «Refere-se à Casa das Gaeiras, lugar de concentração memorial, incomparável em Portugal, no que dis respeito ao período napoleónico, quer pela sua diversidade quer pela quantidade de objectos, manuscritos, armas, planos de campanha e de livros. Além disso, na Casa das Gaeiras, memória e objectos são conservados amorosamente dentro do círculo familiar, o dos Gomes Pinheiro/Pinto Basto Lupi, residindo, desde há dois séculos, numa mesma casa da região Oeste do país, não distante dos campos de duas das principais batalhas desta campanha.»
Lembramos que a Casa das Gaieiras se situa no concelho de Óbidos, no qual se deu a Batalha da Roliça em 17 de Agosto de 1808.

.....................................................................................................

         
                                           

AS LINHAS DE TORRES VEDRAS / XII Encontro TURRES VETERAS: AS LINHAS DE TORRES VEDRAS; coord. Carlos Guardado da Silva - Lisboa: Colibri, Universidade de Lisboa;Torres Vedras:Município, 2010. - 212 p. : il.  ;27 cm. - (Turres Veteras;12)


SUMÁRIO


-Enfrentar as Linhas. Testemunhos franceses sobre uma Barreira intransponível
António Ventura

-(Re)Construções da Memória: as Linhas de Torres em Narrativas Britânicas
Gabriela Gândara Terenas

-The View from Torres Vedras: Southey’s Construction of Portugal between Historical Presence and Textual Invisibility
Diego Saglia

A visão de Torres Vedras: a formação de Portugal, segundo Southey entre presença histórica e invisibilidade textual
Diego Saglia

-L’armée du Portugal ou o desconcerto de um exército: preparação e concretização de uma expedição a Portugal
Cristina Clímaco

-População e Família na época das Invasões Francesas – o caso da freguesia de StªMaria do Castelo de Torres Vedras (1806-1812)
Venerando Aspra de Matos

-PRODUTOS E PREÇOS EM TORRES VEDRAS
NA ÉPOCA DA GUERRA PENINSULAR
Henrique Vieira

-Wellington’s Peninsular Strategy, Portugal, and the Lines of Torres Vedras
Donald D. Howard

-A Estratégia Peninsular de Wellington, Portugal e as Linhas de Torres Vedras
Donald D. Horward

-Un militar de genio: Sir Robert Wilson en Portugal a través de su correspondencia (1808-1809)
Alícia Laspra

-La estratégia napoleónica y las ciudades sitiadas en la Guerra Peninsular
Antonio Moliner Prada

-Irlandeses em armas em espaço peninsular: a obra esquecida de Charles Lever
Maria de Deus Duarte

- As Linhas em Torres Vedras
Francisco Sousa Lobo

-As Linhas de Torres Vedras: impactos regionais: o caso de Leiria
António Pedro Vicente

09/05/10

ACABADINHO DE ACONTECER...

As fotos não são nada jeitosas... Mas a vontade de registar sobrepôs-se à pouca qualidade do fotógrafo e do equipamento disponível.

Aqui ficam algumas imagens do espectáculo de marionetas apresentado pelo Espeleo Clube e o seu grupo de fantoches -Algarucho. A apresentação foi o final de uma oficina de construção e manipulação de "robertos" organizada pelos Museu.
O espectáculo integrou-se nas comemorações dos 200 anos das Linhas de Torres Vedras.






Junot



Homem do povo

Alguns dos artistas bonecreiros



ONTEM, NO FORTE DE S. VICENTE

Reconstituição de cenas da guerra peninsular, no Forte de S. Vicente (Torres Vedras), em 9 de Maio de 2010



Disparando por trás do parapeito, acima do fosso. 
Ao fundo, a capela de S. Vicente.



Os soldados preparam-se para o combate,  depois de uma oração com o frade



Preparando as espingardas



Disparando para fora do parapeito




Treinando o tiro, à voz de "Fogo!"


Canhão preparado para o combate



Mulheres do povo, resistentes da guerrilha popular.  Elas apoiavam o exército nos abastecimentos e quando era preciso também lutavam com o que tinham à mão: chuços, foices roçadoras, varapaus...





Uma benção antes do combate

05/05/10

01/05/10

ARRUDA DOS VINHOS:GASTRONOMIA E LINHAS DE TORRES VEDRAS

A criatividade humana não tem limites, é bem verdade.
Vejam-se as ementas a concurso nesta meritória iniciativa da Câmara Municipal de Arruda dos Vinhos. É o delírio da criatividade.
Com esta gastronomia guerreira só podemos desejar "bom proveito e poucos efeitos bélicos colaterais...".
Para abrir o apetite:

Restaurante Nazareth


Peixe - Bacalhau à terra queimada
Carne - Lombo de porco à Napoleão
Sobremesa - Manjar dos fortes


Restaurante O Barril

Peixe - Paliçada de bacalhau
Carne - Tornedó de porco com frutos secos à moda do forte
Sobremesa - Doce da casa à barril de pólvora


Restaurante O Morgado

Peixe - Ensopado de bacalhau à forte
Carne - Pernil no forno com molho Wellington
Sobremesa - Montanha de suspiro e framboesas

* Nota: A ementa só será servida nos jantares, excepto aos Sábados e Domingos. cada prato demora aproximadamente 40 minutos na sua confecção. Entrada: caldo de caça.


Restaurante Valverde

Peixe - Bacalhau à retirada Francesa (lascado sobre uma cama de batata doce e grelos, envolvido num suave souflé de pão caseiro)
Carne - Porco à Inglesa (a peça mais nobre do porco “presa no lombo ibérico” num espeto de louro, assada em forno de lenha)
Sobremesa - Folhado de laranja com frutos do bosque

Restaurante Porta Um
Peixe - Bacalhau no forno sobre “canhoneiras” de grão, massa e enchidos
Carne - Lombinho de porco em paiol de couve salteada e cogumelos
Sobremesa - Través de chocolate e laranja