25/09/08

Texto 18 ( Jornal "BADALADAS", 26 / 09 / 2008 )



AS AGUADEIRAS DO EXÉRCITO FRANCÊS


Pedro Fiéis*

As cantinières (numa tradução livre – aguadeiras), eram mulheres francesas a quem os regimentos davam uma autorização para a venda de comida e bebida, para além daquilo que eram as rações atribuídas a cada soldado. Tinham como única obrigação a de serem casadas com soldados do dito regimento.
O termo Cantinière veio substituir as Blanchisseuses, que em 1793 poderiam ascender a 4 por batalhão e as Vivandières, cujo número era aprovado pelo comandante de divisão. Quando foi proclamado o Império (1804) já os dois últimos tinham caído em desuso e cada mulher usava uma medalha indicativa da sua posição e que lhes concedia o direito a serem tratadas nos hospitais militares em tempo de guerra.
A sua função primordial era a de vender álcool, geralmente brandy de várias qualidades, que guardavam nos seus cantis (tonnelet) pintados de azul, branco e vermelho e presos em bandoleira por uma correia de couro, onde estavam pendurados os copos de cobre ou latão, em que serviam a bebida. Também efectuavam outros serviços, como cozinhar, lavar e coser a roupa, recolher lenha para as fogueiras e água. Se a oportunidade se deparasse, visitavam as aldeias próximas com o propósito de se abastecerem de víveres e se o produto fosse roubado, melhor, assim só tinham lucro nesta actividade.
Claro que não menos importante era o facto de constituírem uma muito necessária companhia feminina durante os longos meses das campanhas. Um dos mais famosos generais napoleónicos, Lasalle, chegou a dedicar-lhes uma canção nas vésperas da batalha de Marengo. Mas se por acaso se tornassem demasiado desordeiras, uma ordem do dia permitiria que os soldados pudessem pilhar os seus bens.
Muitas serviam até 30 anos no exército e se o respectivo marido fosse morto em combate, casavam com outro soldado para poderem manter a posição. Sobreviviam do salário do homem e dos ganhos com as vendas, mas os preços que podiam praticar eram obrigatoriamente baixos, sob pena de confiscação dos bens e não podiam vender a civis ou membros de outro regimento.
Não deixavam, elas próprias, de serem civis no exército e não tendo direito a uniforme, o garbo pessoal de cada mulher fazia com que envergassem uma mistura de vestidos de camponesa, com casacas militares e por vezes, o chamado bonet de police – o chapéu militar para ser usado nas folgas. Nas pilhagens, o que viesse para às mãos e servisse, era sempre bem-vindo.
Os filhos surgiam naturalmente, numa época em que não se conheciam contraceptivos, e na maioria das vezes acompanhavam as mães durante as campanhas. Existem relatos de mulheres que acompanharam os seus maridos no cativeiro, como foi o caso dos que foram aprisionados na ilha de Cabrera, em Espanha. Afinal, até na derrota sofriam as mesmas agruras, com os roubos, os ferimentos e as doenças, agravados pelas violações.
Apesar disso a sua coragem ficou demonstrada em diversos episódios, quando em plena batalha e a receberem fogo inimigo, corriam as fileiras dando de beber aos homens, carregando os mosquetes e não poucas vezes disparando-os. Ficaram-nos relatos de mulheres que chegaram a transportar os seus maridos feridos em grandes distâncias até chegarem a um hospital ou encontrarem uma ambulância.
Em 1807, na primeira invasão francesa, temos algumas a acompanharem os maridos na penosa marcha através de Espanha até à fronteira portuguesa e nesta altura era-lhes igualmente permitido trocar as mulas em que habitualmente viajavam, por carroças, compradas ou pilhadas, tanto fazia, integrando as outras carroças do regimento e estando sujeitas à autoridade do chefe da coluna.
Uma cantinière bem fornecida poderia ter consigo queijos, enchidos de várias espécies, salsichas, açúcar, tabaco, café, etc. Se possuísse para além disso uma tenda ampla, torná-la-ia no centro de recriação. Algo que na campanha referida só foi possível de efectuar já em Portugal, dada a falta de tudo na marcha até Lisboa.


* Professor e Investigador de História

1 comentário:

Joaquim disse...

Seminário Internacional sobre a importância das Linhas de Torres na Europa


http://www.cm-arruda.pt/CustomPages/ShowPage.aspx?pageid=8d4789a6-5530-416f-8300-368821b74cca